O Ceifador - Neal Shusterman


Hey, pessoal! Nathan aqui dessa vez com a resenha do livro “O Ceifador”, escrito pelo americano Neal Shusterman e publicado no Brasil pela editora Seguinte. Esse é o primeiro da série Scythe (do inglês, Foice) e o meu mais novo favorito do ano de 2018 rs. O livro foi escolhido para o Clube de Temas da Aliança de Blogueiros, que no mês de abril foi Distopia.

Tu deverás matar

SINOPSE
A humanidade venceu todas as barreiras: fome, doenças, guerras, miséria... Até mesmo a morte. Agora os ceifadores são os únicos que podem pôr fim a uma vida, impedindo que o crescimento populacional vá além do limite e a Terra deixe de comportar a população por toda a eternidade. Citra e Rowan são adolescentes escolhidos como aprendizes de ceifador - papel que nenhum dos dois quer desempenhar. Para receberem o anel e o manto da Ceifa, os adolescentes precisam dominar a arte da coleta, ou seja, precisam aprender a matar. Porém, se falharem em sua missão ou se a cumplicidade no treinamento se tornar algo mais, podem colocar a própria vida em risco.

SOBRE O LIVRO:
Primeiro vamos explorar um pouco desse universo criado por Shusterman, nele temos:

-os humanos que vivem suas vidas normalmente, trabalham, estudam, seguem uma profissão e vivem “para sempre” (inclusive podem se rejuvenescer);

-os ceifadores que tem como responsabilidade diminuir a população do mundo para evitar a escassez de recursos. Cada ceifador tem seu método e critério para coletar uma pessoa, eles podem conceder imunidade por um ano para quem quiserem com o anel;

-a Nuvem-Cúmulo que é responsável por “governar” o mundo. É uma consciência virtual que vê tudo o que acontece e não deixa faltar provimentos para a população. Servindo como fonte de informação global, a “Nuvem” grava passo a passo de cada pessoa comum. A única coisa em que ela não pode interferir é na Ceifa (podemos ver o problema começando aqui hehe)


O livro começa nos apresentando os protagonistas de maneiras bem significativa, pois ambos presenciam de perto a coleta de uma vida. O medo pela morte só fica evidente quando uma pessoa presencia esse momento, o momento final de uma pessoa. O ceifador na ocasião era Faraday, que depois do ocorrido convida Citra e Rowan para serem aprendizes dele.

Eles ficam intrigados com os ensinamentos do mestre e como ele é justo com suas “vítimas”. A Ceifa é um mistério para os adolescentes, que é um círculo fechado da sociedade. Eles sabem o básico, os ceifadores são pessoas prestigiadas, as pessoas comuns os temem e tentam agradá-los na esperança de serem poupados na hora final, oferecem de tudo, desde comida até propriedades. 

Conforme Citra e Rowan avançam no treinamento, eles percebem que o mundo não está tão diferente, além do fato de não haver morte. Porque mesmo assim os humanos têm sede de poder, o poder que vem com o manto. Descobrem como existem ceifadores corruptos que se aproveitam da função para satisfazer suas vontades pessoais, distribuindo imunidade para quem lhes desse uma casa luxuosa por exemplo. Será que é possível continuar vivendo num mundo em que assassinos decidem quem vive ou não?

"(...) devemos estar sempre atentos, pois o poder vem infectado com a única doença que nos resta: a natureza humana. ~Ceifadora Curie, página 102"

O treinamento de um ano para se tornar um ceifador é difícil, as lutas e especialmente o ato de tirar uma vida. Mesmo assim os dois estavam se virando bem, só que durante o primeiro encontro para testar as habilidades dos novos aprendizes as coisas complicam. Citra e Rowan se ajudam durante a prova e isso chama a atenção do grande antagonista do livro, Ceifador Goddard. Vendo a cumplicidade entre os jovens como uma ameaça, Goddard influencia o conselho a mudar as regras e agora eles serão obrigados a competir até a morte pela posição de Ceifador. E se não bastasse isso, cada um deles é destinado para treinar com outro ceifador até o grande dia.


Capas estrangeiras do livro

Toda a ambientação da história e os questionamentos abordados sobre vida e morte, política e poder, são incríveis. O livro tem uma narrativa bem dinâmica, intercalando entre o ponto de vista dele e dela. E ainda temos no começo de alguns capítulos, páginas do diário de outros ceifadores famosos (já que eles devem manter um registro pessoal para deixar para futuras gerações de Ceifadores).

Confesso que estava com a expectativa bem alta quando fiquei sabendo do lançamento desse livro e não me decepcionei. Houveram coisas previsíveis ao longo do caminho? Sim, mas isso não interferiu em nada na leitura. Toda a ambientação dark e as reviravoltas contribuíram para eu não largar o livro até terminar a última página.

"Não é bom saber que todos estamos protegidos da ameaça do inferno? Exceto, claro, quando não estamos." -página 225

Rowan e Citra são personagens marcantes, me vi torcendo por eles no decorrer do livro. Fiquei com raiva deles em alguns momentos também (porque não existem personagens perfeitos kkkk). Enquanto Rowan vem de uma família enorme que ignora sua existência, Citra é uma garota estudiosa e que se importa com a família, principalmente o irmão mais novo, Ben. Eles encontram uma família durante a estadia juntos e a química entre os dois é ótima.

Fanart dos protagonistas
Porém o romance entre a dupla deixou um pouco a desejar, achei que podia ter sido melhor explorado. Mesmo assim estou aqui aguardando ansiosamente a continuação, pois o final foi bem impactante e quero MUITO ver as repercussões do acontecido.



Como mencionado, o livro faz parte do Clube de Temas da Aliança deem uma conferida nos outros blogs também :)





E aí, algum de vocês já leram? Me digam o que acharam do livro nos comentários!
xoxo, Nathan 

Um comentário

  1. Oie amore,
    pra ser bem sincera esse livro em nenhum momento me chamou a atenção, desde a primeira vez que vi uma resenha dele e apesar de ter curtido sua resenha não mudei de opinião não, passo a dica.

    Beijokas!

    ResponderExcluir